Biocombustíveis: Kátia Abreu defende mais acesso de tecnologia à produtores

Parlamentar presidiu audiência pública sobre RenovaBio nesta quarta-feira

Biocombustíveis: Kátia Abreu defende mais acesso de tecnologia à produtores
AGRONEGÓCIO 0 Comentário(s) 06/11/2019

A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) presidiu nesta quarta-feira (06), audiência pública na Comissão de Ciência Tecnologia (CCT) no Senado para ouvir especialistas sobre a Política Nacional de Biocombustíveis (Renovabio). O ponto alto da discussão oi a necessidade de investimento em tecnologia para que os produtores consigam aumentar a produção de energia limpa.

Para a senadora Kátia Abreu, o consumidor brasileiro já é extremamente beneficiado pelo RenovaBio. Isso porque o uso de etanol e biodiesel já proporciona uma economia de R$ 5 bilhões a cada ano nas bombas de combustíveis. Ela lembrou que os biocombustíveis já respondem por 53% da energia do setor de transportes. Kátia Abreu defendeu também a importância da pesquisa, que possibilitará a utilização de outros produtos para a geração de combustíveis limpos (atualmente são utilizados nove).

 “Nós precisamos continuar pesquisando. Tem a Macaúba, tem o caroço de algodão, então, quantas outras poderão ter a produtividade para se transformar em biocombustível?”, questiono a parlamentar.

A Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio) proporcionará ao Brasil um ganho de R$ 1,2 trilhão, entre investimentos e economia, nos próximos 10 anos, disse o diretor de Biocombustíveis do Ministério das Minas e Energia, Miguel Novato, em audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT).

 

Mercado de carbono

Segundo a pesquisadora Marilia Folegatti, representante da Embrapa, empresa aguarda um aporte de R$ 5 milhões para uma nova pesquisa. O dinheiro é necessário para a definição de uma modelagem de uso da terra, com base científica, atestando a descarbonização na produção. A ausência de uma modelagem própria ainda obriga o Brasil a adaptar modelos de outros continentes, que ignoram as muitas peculiaridades da produção em clima tropical.

 — O mercado de comercialização de carbono no mundo é de US$ 87 bilhões por ano (R$ 335 bilhões). Se a gente tivesse este cálculo do uso da terra e pegasse 10% do mercado, seriam mais de US$ 8 bilhões (mais de R$ 32 bilhões) por ano entrando na nossa economia, graças a um investimento de R$ 5 milhões — lembrou Novato.

Por fim, o diretor do Minas e Energia disse que o uso de etanol e biodiesel nos próximos 10 anos, proporcionarão ganhos ambientais equivalentes ao plantio de 5 bilhões de árvores. Mais do que as arvores existentes hoje na Inglaterra, Irlanda, Holanda, Suíça, Dinamarca e Bélgica somadas.

 

Ganhos ambientais
A bioquímica Glaucia Mendes, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), apresentou um estudo publicado na científica britânica Nature demonstrando que o etanol brasileiro pode, até 2045, substituir 13% do consumo de petróleo em todo o mundo. Pode também contribuir com uma queda de 5,6% nas emissões de carbono mundialmente, no mesmo período.

João Adrien, chefe de Assuntos Socioambientais do Ministério da Agricultura, por sua vez, apresentou ainda um estudo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São paulo (USP), mostrando que os incrementos produtivos na agricultura tropical brasileira proporcionaram ganhos ambientais equivalentes à preservação de 150 milhões de hectares de terra.


Participações Recentes


Participe do Meu Mandato

Meu Instagram

Twitter