• Kátia Abreu pede celeridade na liberação de medicamento para bebê tocantinense com doença rara

    Pequeno Francisco tem Atrofia Muscular Espinhal (AME) e luta na Justiça para receber tratamento.

    A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) se reuniu nesta quarta-feira (5) com o desembargador federal Daniel Paes Ribeiro para pedir celeridade ao processo do pequeno Francisco Martins Campeão Garrido, bebê tocantinense com um ano e cinco meses de idade portador de uma doença rara e degenerativa, a Atrofia Muscular Espinhal (AME).

    Os pais de Francisco correm contra o tempo e acionaram a Justiça para obter uma medicação importada capaz de garantir a sobrevivência da criança e melhorar seu quadro clínico. A doença afeta os neurônios motores e compromete os músculos, por isso o paciente perde todos os movimentos, inclusive os da respiração. A expectativa de vida de bebês com a atrofia é de dois anos.

    A droga Nusinersena/Spiranza, porém, é importada e ainda não foi liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Além disso, é extremamente cara: cada dose custa aproximadamente R$ 480 mil, totalizando quase R$ 3 milhões o tratamento completo. Por isso, os pais de Francisco entraram com uma ação na Justiça Federal para solicitar o medicamento ao Ministério da Saúde, mas ainda aguardam a tramitação do processo.

    A história do pequeno Francisco foi levada por amigos à senadora Kátia Abreu, que se solidarizou e procurou o desembargador relator do processo, Daniel Paes Ribeiro. Em reunião nesta tarde, ela afirmou que a Justiça Federal de Goiás já deu decisão favorável ao pedido, mas acabou sendo levado à segunda instância.

    “A morosidade desse trâmite processual pode colocar a vida do bebê em risco”, argumentou a senadora, que lembrou ainda que, no Brasil, há 41 mil pessoas portadoras da AME. “Até que o laboratório detentor da patente da medicação não receba autorização da Anvisa, crianças e também adultos continuarão na fila para obter a autorização de importação do remédio”, disse.

    O desembargador afirmou que analisará o processo com atenção e procurará dar celeridade à ação.

    Foto: Divulgação