• Kátia Abreu critica volume e taxa de juros do Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018

    Para a senadora, crescimento de 13,4% do PIB Agropecuário é resultado do “extraordinário” Plano Agrícola da safra passada

    O volume de recursos do Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018, lançado pelo governo federal nesta quarta-feira (7), é 6% inferior ao do ano passado, quando o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – então chefiado pela senadora Kátia Abreu – lançou R$ 202,8 bilhões em crédito para o setor.

    Kátia Abreu subiu à tribuna do Senado nesta tarde para criticar a taxa de juros e a retração do volume de recursos do próximo Plano Agrícola e Pecuário, que terá início em 1º de julho deste ano e se estenderá até 30 de junho de 2018.
    O recurso ofertado pelo atual governo é de R$ 190,25 bilhões, 6% inferior ao da safra 2016/2017, quando o Ministério da Agricultura lançou o maior Plano Agrícola da história do país.

    Para a senadora, o crescimento de 13,4% do Produto Interno Bruto (PIB) Agropecuário neste trimestre é resultado do trabalho dos produtores rurais aliado ao Plano Agrícola “extraordinário” ofertado pelo governo Dilma Rousseff no ano passado.
    “Eu tenho muito orgulho de dizer que fui responsável, modestamente, com o Governo da Presidente Dilma, pelos dois anteriores Planos Safra. Essa supersafra de agora é a consequência do esforço dos produtores e do Plano Safra extraordinário que foi dado aos agricultores do Brasil, com juros muito compatíveis, comparando a Selic e comparando a inflação da época”, explicou.

    Taxa de juros
    A taxa de juros das operações do Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018 caiu apenas entre um e dois pontos percentuais na comparação com a safra atual, mesmo diante da trajetória de queda da Selic nos últimos meses.

    Kátia Abreu lembrou que, na época do lançamento do plano 2016/2017, a Selic era de 14,15% e a inflação estava em 8,84%. Ainda assim, os juros das operações agrícolas ficaram entre 8,5% a 9,5%. “Isso significa que nós tínhamos um juro real muito baixo, por isso a supersafra saiu. Não há segredo: juntou tecnologia, inovação, aplicação no solo e um bom plano safra, não há como dar errado”.

    A senadora alertou o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, sobre a importância de se ofertar crédito acessível à agropecuária – setor que tem sido a locomotora da economia brasileira, responsável pelo crescimento positivo do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2017.

    “Quero dizer ao Ministro Henrique Meirelles que o mercado da cidade pode dar muito dinheiro, mas o mercado do campo dá muito mais. Por gentileza, ajude o Ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) a fazer outra supersafra, como a Presidente Dilma permitiu que eu fizesse, quando deu aos agricultores aquilo que eles precisavam para plantar”.

    Kátia Abreu destacou que o ministro Blairo Maggi tem “toda a competência e prestígio para fazer o plano safra”, mas precisa de forte apoio da equipe econômica. “Se no ano que vem a agricultura não der a resposta que deu esse ano, não reclamem dos agricultores do país, reclamem do Ministério da Fazenda e do Governo”, disse.

    Assista ao pronunciamento da senadora Kátia Abreu:

    Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado